Jorge Moreira Leonardo

Carta de uma desconhecida (I)

27 de Fevereiro de 2024


José Henrique Martins, antes de entrar em casa, abriu a portinhola do porta-cartas e retirou os envelopes que o carteiro distribuíra durante o seu habitual percurso. Contendo facturas dos diferentes consumos, extractos bancários, muita publicidade e entre eles um estranho envelope.

Olhou o remetente e mais estranho lhe pareceu: Fernanda Maria da  Luz Sousa – Rue de l’Eglise, 97-D Pari – 2605-835. Entrou em casa e começou a ler.

Meu caro senhor! O episódio que lhe vou relatar, aconteceu há mais de quarenta anos. Não acredito que se recorde e estou convencida que já no dia seguinte o tenha esquecido. Pois pode crer que eu nunca esqueci e nunca esquecerei, pois teve uma influência decisiva na minha vida. O caro senhor quando, lhe relatar o que para si foi um simples gesto, talvez até frequente no decurso da sua vida e do qual nem se recorda, pensará decerto como possa ter sido de tal transcendência na vida de alguém. Mas vamos aos factos.

Sou filha de uma mãe que quando nasci era solteira e que vivera um acto de insensatez com um soldado do Continente (assim eram  conhecidos os soldados que vieram para a nossa terra no decurso da segunda guerra mundial) que, mal acabou a Guerra regressou à sua terra e, embora prometendo voltar, nunca mais deu notícias.

Nesse tempo ser filha de um soldado do Continente, e de mãe solteira, era algo desprezível e minha mãe foi repudiada pela família e até por algumas amigas.

Já antes desse momento, minha mãe trabalhava como engomadeira numa fábrica de bordados. Trabalho extenuante e miseravelmente pago. E ainda trazia para casa uns maços com que queimava as pestanas bordando e assim acrescentar mais uns magros escudos ao mísero salário.

Saía de casa de manhã, levando consigo um modesto lanche e deixando outro para mim. Recomendava-me que não abrisse a porta a estranhos, nem tampouco a janela, pois esta ficava a uns escassos 90 centímetros do ladrilho. Tal a modéstia da nossa casa. Se eu quisesse distrair um pouco que o fizesse através do minúsculo postigo utilizando um pequeno banco, de onde observava os miúdos brincando. Tanto desejava ir brincar com eles, mas isso só era permitido aos rapazes. As raparigas ficavam em casa.

Minha mãe voltava depois das seis horas e trazia consigo as modestas compras com que preparava a não menos modesta refeição que nos servia de jantar. Vivíamos as duas numa total desesperança.

Um dia em que saí com minha mãe, ela encontrou uma colega de trabalho e pararam um pouco de conversa. Por coincidência que, sempre considerei feliz, em frente à montra de uma pastelaria. Fiquei olhando os apetitosos bolos, com o humilhante conformismo que as crianças pobres de então assumiam: aqueles doces são para meninos e meninas de famílias ricas.

Doces na minha mesa, apenas o folar pela Páscoa e o bolo-rei pelo Natal que a empresa de bordados oferecia, com atitude altaneira, reunindo as trabalhadoras em fila, e convencida que assim atenuava a injustiça do magro salário.

José Henrique Martins, antes de entrar em casa, abriu a portinhola do porta-cartas e retirou os envelopes que o carteiro distribuíra durante o seu habitual percurso. Contendo facturas dos diferentes consumos, extractos bancários, muita publicidade e entre eles um estranho envelope.

Olhou o remetente e mais estranho lhe pareceu: Fernanda Maria da  Luz Sousa &nda…





Para continuar a ler o artigo torne-se assinante ou inicie sessão.


Contacte-nos através: 292 292 815.
53
Outros Artigos de Opinião
"Abril no sangue e um cravo tatuado no braço"
Isabel Lacerda

REFLEXOS DO QUOTIDIANO
.
"A História de Abandono da Igreja de Nossa Senhora…"
João Garcia

AO ABRIR DA MANHÃ
.
"Finalmente arrancou a 2ª fase da variante"
Carlos Faria

REFLEXOS DO QUOTIDIANO
.
"As Obrigações de Serviço Público prejudicam o Fai…"
João Garcia

AO ABRIR DA MANHÃ
.
"Democracia, mas não muita…"
Rui Gonçalves

A ABRIR
.
"Uma guerra movida por interesses que não são noss…"
Carlos Frayão

REFLEXOS DO QUOTIDIANO
.
"A Resignação da Asfixia das Liberdades"
João Garcia

AO ABRIR DA MANHÃ
.
"Sinais de esperança"
Carlos Faria

REFLEXOS DO QUOTIDIANO
.
"Pela igualdade, contra a invisibilidade"
Isabel Lacerda

REFLEXOS DO QUOTIDIANO
.
"A propósito das «causas profundas» da ascensão do…"
Carlos Frayão

REFLEXOS DO QUOTIDIANO
.