Jorge Moreira Leonardo

A Fé Perdida (IV)

16 de Março de 2023


Correu para junto do seu querido “Estrelo”. Ainda recordava que quando partiu para a África se abraçara a ele chorando, desabafando os seus medos o que evitou fazer diante dos pais para não lhes aumentar a tristeza.

O veterinário chegou meia hora depois, o que para o José pareceu uma eternidade.

Após minuciosa observação do animal, medicou-o com os medicamentos que, já por cautela, trouxera consigo. E, de saída, disse-lhe: - Agora é uma questão de tempo e, se és católico, reza um pouco. Só então o José se recordou que, ao telefone, pronunciara a expressão “por amor de Deus”.

O José pediu à esposa para ficar junto do cavalo enquanto ia ver como corriam as coisas na lavoura, onde apenas se encontrava o pai e um trabalhador que contratara.

Passou o resto do dia junto do seu querido companheiro, e dispunha-se a passar toda a noite, se preciso fosse, apesar dos conselhos da mulher para que comesse qualquer coisa e descansasse, pois tudo estava nas mãos de Deus. Adormeceu, sim, de cansaço, mas no chão e encostado a um fardo de palha. Era já noite.

A certa altura sentiu um valente empurrão seguido de um alegre relinchar. Levantou-se sobressaltado, pois não sabia o que estava acontecendo. O que viu, porém deixou-o louco de alegria. O seu amigo estava de pé e sacudia alegremente a cabeça, como sempre fazia quando ele chegava ao palheiro. Por vezes até tinha dificuldades em colocar-lhe a cabeçada e tinha de fingir que ralhava com ele. Correu a chamar a sua Amélia para partilhar com ela a sua alegria.

Continuaram junto dele até terem a certeza de que estava realmente curado. Finalmente, ela convenceu-o a deitar-se, pois estava extenuado e no dia seguinte, logo pela manhã tinha de participar na ordenha.

Estavam sentados na cama encostados à taje. Ela de terço na mão, preparava-se para rezar. Ele, então, pediu-lhe: - Reza alto para eu te acompanhar. Mas ela não pronunciou uma única palavra. Olhou-a de soslaio e percebeu a razão do seu silêncio: chorava. Meigamente, tirou-lhe o terço da mão. - Pai nosso que estás nos Céus…

 FIM

Correu para junto do seu querido “Estrelo”. Ainda recordava que quando partiu para a África se abraçara a ele chorando, desabafando os seus medos o que evitou fazer diante dos pais para não lhes aumentar a tristeza.

O veterinário chegou meia hora depois, o que para o José pareceu uma eternidade.

Após minuciosa observaç…





Para continuar a ler o artigo torne-se assinante ou inicie sessão.


Contacte-nos através: 292 292 815.
585
Outros Artigos de Opinião
"Abril no sangue e um cravo tatuado no braço"
Isabel Lacerda

REFLEXOS DO QUOTIDIANO
.
"A História de Abandono da Igreja de Nossa Senhora…"
João Garcia

AO ABRIR DA MANHÃ
.
"Finalmente arrancou a 2ª fase da variante"
Carlos Faria

REFLEXOS DO QUOTIDIANO
.
"As Obrigações de Serviço Público prejudicam o Fai…"
João Garcia

AO ABRIR DA MANHÃ
.
"Democracia, mas não muita…"
Rui Gonçalves

A ABRIR
.
"Uma guerra movida por interesses que não são noss…"
Carlos Frayão

REFLEXOS DO QUOTIDIANO
.
"A Resignação da Asfixia das Liberdades"
João Garcia

AO ABRIR DA MANHÃ
.
"Sinais de esperança"
Carlos Faria

REFLEXOS DO QUOTIDIANO
.
"Pela igualdade, contra a invisibilidade"
Isabel Lacerda

REFLEXOS DO QUOTIDIANO
.
"A propósito das «causas profundas» da ascensão do…"
Carlos Frayão

REFLEXOS DO QUOTIDIANO
.