28 de Março de 2023
Ordem dos Nutricionistas defende que cabaz essencial é saudável e diversificado
Lusa

Autor do Artigo
63

A bastonária da Ordem dos Nutricionistas defendeu ontem que o cabaz de bens essenciais com uma taxa de IVA de 0% deve ser diversificado e assegurar uma alimentação saudável, atendendo às “necessidades da globalidade da população”.

“Esse cabaz, do nosso ponto de vista, deveria ser saudável, com produtos que respeitassem a nossa tradição e, se possível, produtos nacionais”, afirmou Alexandra Bento.

Em declarações à agência Lusa, a bastonária explicou que foi isso mesmo que a Ordem dos Nutricionistas transmitiu ao Ministério da Saúde a propósito do cabaz de produtos alimentares considerados essenciais que beneficiarão de uma taxa de IVA de 0%.

No parecer enviado ao Governo, a Ordem defendeu um cabaz diversificado, que respeite a roda dos alimentos, assegurando que cada um dos sete grupos está representado.

A lista final ainda não é conhecida, mas poderá incluir alimentos como hortícolas, massa, arroz, leite meio gordo, iogurtes, queijo, pão, frutas, ovos, azeite e alguns tipos de peixe e carne.

“Temos vindo a ouvir que, efetivamente, há um conjunto de alimentos de cada grupo [da roda dos alimentos]”, sublinhou a bastonária, acrescentando que “a serem esses, estamos satisfeitos”.

Questionada se seria importante incluir outros alimentos, como massas e arroz integrais ou laticínios magros, Alexandra Bento admitiu que o ideal seria abranger todos os bens alimentares saudáveis, mas não é possível.

“Teve que haver um exercício intelectual, rigoroso, tecnicamente aceitável e sério. Qualquer um percebe que não poderiam ser todos e, a não poderem ser todos, têm que ser aqueles que atendem às necessidades da globalidade da população e não a faixas específicas”, explicou.

A ausência de outras opções não é problemática, assegurou, insistindo que, a confirmar-se a lista que tem vindo a ser avançada na comunicação social, “é um cabaz de alimentos saudáveis que atendem às necessidades da população em geral”.

É com o mesmo argumento que responde quando questionada sobre a possibilidade de incluir, por exemplo, refeições pré-preparadas, como sopas ou saladas.

“Posso achar que é muito interessante ter refeições pré-preparadas para quem tem uma vida mais agitada e tem menos tempo, coisa diferente é dizer que esses produtos devem estar incluídos num cabaz de alimentos essenciais”, afirmou.

Alexandra Bento sublinhou ainda que a implementação da taxa de IVA de 0% num conjunto de bens é “um esforço coletivo” e uma “medida excecional”, pelo que o compromisso deve ir no sentido de definir “os alimentos básicos para que todos possamos ter uma alimentação saudável”.

A bastonária da Ordem dos Nutricionistas defendeu ontem que o cabaz de bens essenciais com uma taxa de IVA de 0% deve ser diversificado e assegurar uma alimentação saudável, atendendo às “necessidades da globalidade da população”.

“Esse cabaz, do nosso ponto de vista, deveria ser saudável, com produtos que respeit…





Para continuar a ler o artigo torne-se assinante ou inicie sessão.
Pode tornar-se assinante por apenas 7€ por mês.

Contacte-nos através: 292 292 815 ou jornalincentivo@gmail.com.




Outras Notícias
PSD elogia Orçamento que “respeita contrato eleitoral” e critica postura do PS
.
Falhas no transporte marítimo de mercadorias estão a estrangular a economia do Faial
.
Morreram 49 pessoas afogadas até 30 de abril, o valor mais alto desde 2017
.
Plano dos Açores para este ano aprovado em votação final global na assembleia
.