03 de Outubro de 2022
Instituto Nobel diz estar fora de causa retirar prémio da paz a Ximenes Belo
Lusa

Autor do Artigo
48

O Instituto Nobel da Noruega esclareceu na sexta-feira estar “fora do âmbito de competências do Comité” retirar o Nobel da Paz a Ximenes Belo, suspeito de abusos sexuais de menores, e escusou-se a comentar o caso.

“O Comité do Nobel muito raramente comenta o que um laureado com o Prémio da Paz pode fazer ou dizer nos anos após receber o prémio ou sobre o que um laureado pode ter feito no passado sem relação com o seu esforço premiado”, afirmou Olav Njølstad, diretor do Instituto Nobel norueguês, em Oslo, em resposta à Lusa.

“Em geral, está também fora do âmbito de competências do Comité retirar um prémio uma vez atribuído. Os estatutos da Fundação Nobel excluem esta opção”, acrescentou Njølstad.

O jornal holandês De Groene Amsterdammer publicou na quarta-feira testemunhos de alegadas vítimas de abusos sexuais, quando eram menores, crimes que terão sido cometidos durante vários anos pelo bispo timorense, enquanto administrador apostólico de Díli.

O Vaticano anunciou ter imposto sanções disciplinares ao bispo timorense Ximenes Belo nos últimos dois anos, após alegações de que teria abusado sexualmente de menores no seu país nos anos 1990.

Em comunicado, o porta-voz do Vaticano disse que o gabinete que lida com casos de abuso sexual recebeu alegações “sobre o comportamento do bispo” em 2019 e, no prazo de um ano, tinha imposto sanções.

Estas sanções incluem limites aos movimentos do bispo e ao exercício do seu ministério, bem como a proibição de manter contactos voluntários com menores ou com Timor-Leste.

Carlos Filipe Ximenes Belo, laureado com o Nobel da Paz em 1996, é hóspede há vários anos da Província Portuguesa da Congregação Salesiana em Portugal.

Estas medidas iniciais impostas pelo Vaticano foram “modificadas e reforçadas” em novembro de 2021 e em ambas as ocasiões Ximenes Belo aceitou formalmente o castigo, acrescentou o comunicado de Matteo Bruni.

A edição ‘online’ do De Groene Amsterdammer explicou que o jornal ouviu várias vítimas e 20 pessoas com conhecimento do caso de abusos sexuais de menores, incluindo “individualidades, membros do Governo, políticos, funcionários de organizações da sociedade civil e elementos da Igreja”.

“Mais de metade das pessoas conhecem pessoalmente uma vítima dos abusos e outros têm conhecimento do caso. O De Groene Amsterdammer falou com outras vítimas, que recusaram contar a sua história nos ‘media’”, escreveu a jornalista Tjirske Lingsma.

O jornal noticiou ainda que as primeiras investigações a este alegado abuso remontam a 2002, quando um timorense denunciou que o seu irmão era vítima de abusos.

Na quarta-feira, o representante do Vaticano em Timor-Leste disse à agência Lusa que o caso estava com os órgãos competentes da Santa Sé, sem confirmar se o prelado foi ou não investigado.

O Instituto Nobel da Noruega esclareceu na sexta-feira estar “fora do âmbito de competências do Comité” retirar o Nobel da Paz a Ximenes Belo, suspeito de abusos sexuais de menores, e escusou-se a comentar o caso.

“O Comité do Nobel muito raramente comenta o que um laureado com o Prémio da Paz pode fazer ou dizer nos anos após re…





Para continuar a ler o artigo torne-se assinante ou inicie sessão.


Contacte-nos através: 292 292 815.




Outras Notícias
Açores registam 5.620 desempregados inscritos em outubro
.
Deputado independente quer verificação do apoio à natalidade
.
Governo dos Açores quer “envolvimento ativo” dos 19 municípios da região
.
Portugal perde 2,1 por cento da população em 10 anos e inverte tendência de crescimento
.