Rui Gonçalves

Cobardia em vez de coragem

17 de Junho de 2024


A nossa Câmara convidou recentemente a população para a apresentação pública de um estudo com vista à construção, no Faial, de uma residência universitária.

Compareceram nos Paços do Concelho alguns interessados, especialmente ligados à Universidade. Compareceram também aqueles que, coitados, são convidados para tudo e não conseguem institucionalmente livrar-se da responsabilidade de comparecer. Da população não estava ninguém.

Para já isto deve merecer uma análise. As pessoas não comparecem porque o assunto não as motiva. Trata-se de um tema consensual e pacífico que ninguém contesta.

Assim é fácil convocar os cidadãos. Tira-se muitas fotografias e todos ficam bem.

Mas falta outra determinação quando o assunto é delicado. Quando são conhecidas vozes contra, isto é, quando a assunto não é pacífico. Foi o que aconteceu, por exemplo com o projeto da variante à cidade da Horta. Todos a querem ver construída, mas há quem contesta a opção. Neste caso, ninguém se lembrou de fazer uma apresentação pública.

Recordo que, há um ano, a Assembleia Municipal aprovou um documento pedindo ao Governo Regional, o dono da obra, a realização de uma sessão pública de apresentação do projeto.

O presidente da Câmara, presente na sessão da Assembleia Municipal de junho do ano passado, manifestou a sua disponibilidade para interceder junto do Governo Regional no sentido de o mesmo levar a efeito a solicitada apresentação pública.

Passado um ano, com a obra já iniciada, alguém viu um convite à população para a apresentação pública do projeto da variante? Eu não vi.

E não me venham dizer que entretanto o Governo caiu e entrou em gestão. A verdade é que apesar da queda do Governo a obra já se iniciou.

É assim a vida política. O principal é o que dá jeito aos próprios políticos. O que interessa à população é outra coisa.

Quando celebramos 50 anos sobre o 25 de Abril, o dia da liberdade, alguns protagonistas da nossa vida política parecem saudosos de um tempo que não viveram, mas que sobre eles ainda infunde algum encanto.

Não creio todavia que o problema esteja na nostalgia. Está na atualidade. Está na visão que cada um tem do serviço público. Está, afinal, na capacidade de cada um dos políticos que dirigem a nossa vida coletiva. Em vez de coragem, exibem cobardia.

A nossa Câmara convidou recentemente a população para a apresentação pública de um estudo com vista à construção, no Faial, de uma residência universitária.

Compareceram nos Paços do Concelho alguns interessados, especialmente ligados à Universidade. Compareceram também aqueles que, coitados,…





Para continuar a ler o artigo torne-se assinante ou inicie sessão.


Contacte-nos através: 292 292 815.
465
Outros Artigos de Opinião
"Controvérsias e Celebrações"
João Garcia

AO ABRIR DA MANHÃ
.
"Não sinto qualquer orgulho..."
Carlos Frayão

REFLEXOS DO QUOTIDIANO
.
"É preciso ser criativo"
Rui Gonçalves

A ABRIR
.
"Construindo o Futuro da Cidade e Atraindo os Jove…"
João Garcia

AO ABRIR DA MANHÃ
.
"A praga dos projetos de qualidade duvidosa"
Carlos Faria

REFLEXOS DO QUOTIDIANO
.
"Ligações Vitais"
João Garcia

AO ABRIR DA MANHÃ
.
"Fiquei indignado mas não surpreendido..."
Carlos Frayão

REFLEXOS DO QUOTIDIANO
.
"Acautelar o Futuro do Faial"
João Garcia

AO ABRIR DA MANHÃ
.
"Cobardia em vez de coragem"
Rui Gonçalves

A ABRIR
.
"A União Fará a Força"
João Garcia

AO ABRIR DA MANHÃ
.