Jorge Moreira Leonardo

Um Criado Titular (VII)

18 de Janeiro de 2023


Barão e filha acabam de tomar o pequeno almoço.

Laura: - Meu pai, permite-me que me levante?

Barão: - Sim, para me dares um beijo. E se vires o José diz-lhe que vá ter comigo ao salão. E falando para consigo. Parece mais alegre. Será que me adivinhou o pensamento? Não tenho mais que adiar. Vou tomar a decisão que não duvido a minha querida esposa me levaria a tomar se Deus não ma tem roubado tão cedo. Deus queira ainda vá a tempo.

Barão (no salão já com o José na sua frente): - José! Conheces o conde de Nilo?

José: - De gingeira!

Barão: - Que maneira é essa de falar. Não esqueças que se tudo der certo ele passará a ser alguém importante na família.

José: - Desculpe, patrão, mas foi de alegria.

Barão: - Alegria porquê?

José :- Porque não duvido que o patrão vai tomar a decisão mais justa. E como adoro a menina é natural que me sinta feliz.

Barão: - Então já que o conheces de “gingeira” (acentuando a palavra) não terás qualquer dificuldade em dizeres que vás da minha parte convidá-lo para jantar, convite que é extensivo à mãe.

José: - Vou num pé e venho no outro.

Conde de Nilo (José): - Chegando a casa abraçou a mãe e anunciando o convite disse-lhe que o plano resultara em cheio.

Condessa: - Fico feliz por ti. Mas como vais mudar de personagem.

Conde de Nilo: - É simples! Quando regressar a casa do Barão, levo o meu smoking e deixo no quarto do criado. A propósito a Maria está trabalhando na casa do Barão.

Condessa: - Fico feliz por ela de quem tenho muitas saudades.

Pelas sete horas soou a campainha. Quando Maria se dirigia para a porta, José interrompeu-a e disse :- Deixa-me prestar o último serviço que penso prestar como criado desta casa. Abriu a porta e com gestos fidalgos que surpreenderam o Barão e a filha, fez as apresentações: A srª. Condessa de Nilo, o srº. Barão de Albergaria e sua filha Laura. E agora se me dão licença vou buscar o sr. conde de Nilo. E perante a surpresa do Barão e da filha subiu a escada em direcção ao quarto destinado ao criado.

Entretanto a Condessa pediu licença, e dirigiu-se à Maria a quem abraçou carinhosamente. Poucos minutos volvidos o José voltou, sem a peruca loira e o bigode, envergando um smoking e anunciou: - Eis o conde de Nilo! Neste momento o mais feliz dos mortais.

Barão e filha acabam de tomar o pequeno almoço.

Laura: - Meu pai, permite-me que me levante?

Barão: - Sim, para me dares um beijo. E se vires o José diz-lhe que vá ter comigo ao salão. E falando para consigo. Parece mais alegre. Será que me adivinhou o pensamento? Não tenho mais que adiar. Vou tomar a decisão que n&a…





Para continuar a ler o artigo torne-se assinante ou inicie sessão.


Contacte-nos através: 292 292 815.
30
Outros Artigos de Opinião
"Um Criado Titular (VIII)"
Jorge Moreira Leonardo
.
"O poder político, o poder económico e os lobbies"
Carlos Frayão
.
"Mais um Conselho de Administração... é o resultado das suas escolhas Sr. Secretário..."
João de Brito
.
"Do nepotismo e oportunismo ao desmoronamento"
Carlos Faria
.
"Um Criado Titular (VII)"
Jorge Moreira Leonardo
.
"O significado de oportunidade na atualidade"
José Couto
.
"A importância dos animais nos processos de violência doméstica"
Joana Gomes
.
"A fraqueza dos políticos"
Rui Gonçalves
.
"A oitava revisão constitucional e a autonomia (3)"
Carlos Frayão
.
"Um Criado Titular (VI)"
Jorge Moreira Leonardo
.