Carlos Faria

Uma aposta municipal no objetivo certo

20 de Setembro de 2022


Se alguém um dia apreciar o histórico dos meus escritos para esta coluna, eu penso que concluirá rápido que as minhas obsessões persistentes no tempo têm girado em torno de dois pontos essenciais: a ampliação da pista do aeroporto da Horta e o desenvolvimento económico do Faial.

Efetivamente, ao longo dos anos foram estes assuntos que mais fui pressionando tanto o Governo dos Açores, como a Câmara Municipal da Horta, e foram, também, estes os tópicos em que estas duas entidades mais me desiludiram no passado.

Com a mudança de ciclo político, primeiro do poder regional e, depois, no concelhio desta ilha, a minha perspetiva de que os respetivos executivos apostassem tanto na infraestrutura aeroportuária, que também condiciona o crescimento económico, e, em paralelo, neste desenvolvimento, subiu.

Infelizmente, no que se refere ao Governo dos Açores, não tenho sentido uma mudança significativa no esforço em lutar para se conseguir os objetivos que tenho defendido para o Faial ao elevado nível que esperava e, assim, as minhas perspetivas têm vindo a gorar-se. Embora o mandato deste executivo ainda vá a meio, pelo que, vai a tempo de recuperar as esperança que tive no início.

Já no que se refere ao Município, apesar de saber que este não é nenhum dos atores mais decisivos para se alcançar a dimensão almejada para a pista da Horta, confesso que tenho visto um grande empenho autárquico na causa aeroportuária. Mais ainda, o Presidente não tem fugido ao risco para defender este objetivo, pois só deste modo se compreende que tenha aceite liderar o Concurso Público do projeto da ampliação desta infraestrutura não sendo ele o responsável pelo respetivo caderno de encargos e, consequentemente, pelas características principais do empreendimento que vier a ser construído e, mais ainda, sendo notório que o atual Governo da República é perito no passa culpa das suas falhas e incumprimentos de metas.

Mais recentemente, com a iniciativa da Câmara Municipal criar uma STARTUP FAIAL, destinada a apoiar a nova geração para o desenvolvimento e o crescimento de ideias de negócio, ou seja, dinamizar a economia, esta Autarquia deu outro sinal claro de que também reconhece o outro ponto essencial que referi para esta ilha, e está apostada em mudar o estado de modorra e declínio em que o desenvolvimento da Horta caiu ao longo das últimas décadas.

Na verdade, há que ter consciência que a iniciativa de criação desta STARTUP não é para já uma garantia de sucesso, mas é uma evidência do empenho do município na mudança desta situação e prova que o desenvolvimento económico é um objetivo que está no centro da ação política desta nova equipa que lidera o Concelho da Horta.

Faço votos para que o atual executivo municipal tenha tanto ou mais sucesso neste campo como já mostrou em capacidade de inovar e dinamizar eventos festivos ao longo dos primeiros meses de exercício autárquico, mesmo ciente que o desafio económico é bem mais difícil de ser vencido do que o da componente de animação lúdica e cultural.

Reconheço, contudo, que esta Câmara tem evidenciado que está a enfrentar algumas situações complicadas e há aspetos a corrigir. É normal, estamos perante uma equipa nova a dar os primeiros passos numa gestão autárquica que, além das suas prioridades políticas, tem que assegurar numerosos outros aspetos de gestão quotidiana e dar continuidade a dossiers antigos, além da burocracia de que não se pode livrar.

Este mandato está ainda no seu início e, apesar da permanente fiscalização e denúncia nas redes sociais, onde não se perdoa nenhum erro ou falha de inexperiência, sobretudo os tolerantes com os males do passado, na realidade, sabe-se que o balanço faz-se no fim, mas, até agora, o novo elenco municipal tem mostrado uma dinâmica positiva que realço aqui, e o desenvolvimento económico é um dos desafios maiores onde este executivo pode ter um papel crucial.

 

Se alguém um dia apreciar o histórico dos meus escritos para esta coluna, eu penso que concluirá rápido que as minhas obsessões persistentes no tempo têm girado em torno de dois pontos essenciais: a ampliação da pista do aeroporto da Horta e o desenvolvimento económico do Faial.

Efetivamente, ao longo dos anos foram estes ass…





Para continuar a ler o artigo torne-se assinante ou inicie sessão.


Contacte-nos através: 292 292 815.
33
Outros Artigos de Opinião
"Os Filhos (XVI)"
Jorge Moreira Leonardo
.
"Sobre o crescimento na Europa (e não só) de uma extrema direita fascizante"
Carlos Frayão
.
"Antes que tudo arda"
Carlos Faria
.
"Os Filhos (XV)"
Jorge Moreira Leonardo
.
"Espinhos e Laranjas; Rafa; Uma comparação grosseira; Pessimista"
Rui de Jesus
.
"A dança das cadeiras"
Rui Gonçalves
.
"A propósito do falecimento da Rainha Isabel II "
Carlos Frayão
.
"Os Filhos (XIV)"
Jorge Moreira Leonardo
.
"Uma aposta municipal no objetivo certo"
Carlos Faria
.
"Treinar a força laboral"
José Couto
.