19 de Junho de 2024
Portugal deixa de registar desequilíbrios macroeconómicos
Lusa

Autor do Artigo
89

Portugal deixou hoje, após vários anos de avisos da Comissão Europeia e de ter chegado a registar défice excessivo, de registar desequilíbrios macroeconómicos, divulgou a Comissão Europeia, atribuindo a mudança à “redução das vulnerabilidades” ao nível orçamental.

“França, Espanha e Portugal já não registam desequilíbrios, uma vez que as vulnerabilidades diminuíram globalmente. Os riscos para a sustentabilidade orçamental serão analisados no âmbito das regras orçamentais reformadas”, anuncia o executivo comunitário em comunicado hoje divulgado.

A informação é divulgada no dia em que a Comissão Europeia divulga o pacote de primavera do Semestre Europeu, o quadro anual da União Europeia (UE) para coordenar a política económica, orçamental, social e de emprego.

O anúncio surge após Bruxelas ter colocado Portugal, por vários anos, na lista de Estados-membros com desequilíbrios macroeconómicos e de o país ter chegado a ser alvo de um procedimento por défice excessivo.

Também hoje, a instituição anunciou abertura de procedimentos por défice excessivo baseados no défice para sete Estados-membros da UE, sendo eles a Bélgica, França, Itália, Hungria, Malta, Polónia e Eslováquia.

Portugal deixou hoje, após vários anos de avisos da Comissão Europeia e de ter chegado a registar défice excessivo, de registar desequilíbrios macroeconómicos, divulgou a Comissão Europeia, atribuindo a mudança à “redução das vulnerabilidades” ao nível orçamental.





Para continuar a ler o artigo torne-se assinante ou inicie sessão.
Pode tornar-se assinante por apenas 7€ por mês.

Contacte-nos através: 292 292 815 ou jornalincentivo@gmail.com.




Outras Notícias
Novo foguetão europeu Ariane 6 será lançado na terça-feira com nanossatélite português a bordo
.
Trabalhadores de terra da SATA em greve ao trabalho suplementar a partir de dia 24
.
Parlamento rejeita programa extraordinário de integração de trabalhadores precários
.
Turista morre nos Açores após queda de 20 metros na Ribeira dos Caldeirões em S. Miguel
.