04 de Junho de 2024
Investigadores em projeto para proteger e conservar biodiversidade no Atlântico e Ártico
Lusa

Autor do Artigo
82

Investigadores do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) da Universidade do Porto integram um projeto que, financiado em oito milhões de euros, visa proteger e restaurar a biodiversidade marinha nos oceanos Atlântico e Ártico.

Intitulado BioProtect e financiado pela União Europeia, o projeto pretende responder "aos desafios prementes que as atividades humanas e as alterações climáticas colocam aos ecossistemas marinhos", refere hoje, em comunicado, o centro.

Nos próximos quatro anos, os investigadores vão desenvolver "soluções inovadoras, ajustáveis e escaláveis" centradas num conjunto de ecossistemas marinhos.

Para isso, os investigadores vão considerar vários cenários, como as alterações climáticas, estratégias de proteção e exploração, e os impactos ecológicos e socioeconómicos.

O projeto vai também envolver os cidadãos e decisores políticos, capacitando-os para proteger e restaurar os ecossistemas marinhos e a biodiversidade.

Alinhado com os objetivos da União Europeia para 2030 e com o Pacto Ecológico Europeu, o projeto é coordenado pela instituição de investigação Matís, na Islândia, e reúne 18 parceiros de oito países, entre os quais cinco instituições portuguesas.

Além do CIIMAR, o projeto conta com investigadores da Universidade de Aveiro, Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), Okeanos da Universidade dos Açores e AIR Centre.

Os cinco parceiros nacionais vão contribuir para o mapeamento da biodiversidade de ambientes do mar profundo e implementação de áreas marinha protegidas resilientes às alterações climáticas.

No projeto vão ser desenvolvidas ferramentas de baixo-custo, como câmaras de vídeo e sensores de ADN ambiental, que serão posteriormente demonstradas nos Açores, nas regiões Centro e Norte do país, bem como noutras regiões oceânicas.

O projeto vai também explorar os impactos cumulativos das alterações climáticas, pesca e poluição do lixo marinho, através da experimentação em aquário e da identificação de áreas mais suscetíveis a estes impactos para apoiar o desenvolvimento de políticas de gestão para o uso sustentável dos oceanos e a preservação de zonas de refúgio climático.

Citada no comunicado, a coordenadora do BioProtect, Sophie Jensen, esclarece que o projeto visa “responder à necessidade urgente de soluções globais e sustentáveis para atenuar os efeitos das pressões induzidas pelo homem e das alterações climáticas nos ecossistemas marinhos".

As soluções de proteção e restauro da biodiversidade marinha desenvolvidas no âmbito do projeto serão, posteriormente, consolidadas num "quadro de apoio à decisão" que será apresentado em cinco locais de estudo na Europa, incluindo Portugal.

"Este quadro incluirá métodos para monitorizar e prever alterações na biodiversidade marinha, mapear as pressões humanas, dar prioridade a áreas de proteção e restauro e medir os impactes ecológicos e socioeconómicos das ações de conservação”, acrescenta o centro.

Investigadores do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) da Universidade do Porto integram um projeto que, financiado em oito milhões de euros, visa proteger e restaurar a biodiversidade marinha nos oceanos Atlântico e Ártico.

Intitulado BioProtect e financiado pela União Europeia, o projeto pr…





Para continuar a ler o artigo torne-se assinante ou inicie sessão.
Pode tornar-se assinante por apenas 7€ por mês.

Contacte-nos através: 292 292 815 ou jornalincentivo@gmail.com.




Outras Notícias
Torre de controlo autoriza descolagem e aterragem em simultâneo em Ponta Delgada
.
Encontrado corpo de homem na ilha das Flores
.
Papa defende em encontro com humoristas que “é possível rir de Deus”
.
Prisão preventiva para suspeito de tráfico de droga na Ribeira Grande
.