02 de Maio de 2023
Inteligência artificial não é fim do mundo mas um desafio
Lusa

Autor do Artigo
66

O comandante Santos Fernandes considerou esta quinta-feira que a inteligência artificial “não é o fim do mundo, mas um desafio novo”, vincando que temos a tendência para correr sempre atrás do prejuízo.

“Não acho [que a inteligência artificial] seja o fim do mundo, mas é um desafio novo, que se tem vindo a complicar de dia para dia”, referiu o comandante Santos Fernandes, chefe de divisão de Planeamento do Estado Maior da Armada, na conferência “Confiar no jornalismo, fugir à desinformação”, que decorreu na sede da Lusa, em Lisboa.

O comandante defendeu que temos sempre tendência para correr atrás do prejuízo, lembrando os escândalos com algoritmos e redes sociais.

Apesar de acreditar que existe já uma “consciencialização para o problema”, caso contrário o mesmo não seria debatido, Santos Fernandes alertou que este é “um novo mundo […] e uma enorme ameaça”.

Sobre esta matéria, a president & Global Media Literacy Educator do Internacional Council for Media Literacy, Belinha de Abreu, sublinhou que a inteligência artificial já está presente nas nossas vidas, através de uma Alexa, Siri ou mesmo de um Joaquim, referindo-se aos assistentes virtuais disponíveis nos telemóveis, tablets e outros gadgets.

Contudo, sublinhou que já se falam em direitos humanos para os robots para que tenham “um pouco mais de controlo” sobre a sua própria vida, o que disse ser quase um filme de ficção científica que acarreta problemas de ética.

“Isto vem modificar a ideia de que a inteligência artificial é só uma máquina. É um problema porque nós não sabemos qual é poder dela”, acrescentou.

Presente na mesma conferência, o investigador Vítor Tomé, questionado sobre o papel dos jornalistas, em Portugal, face à desinformação e a estes avanços tecnológicos, afirmou que “as pessoas não podem querer tudo e já”, o que defendeu ser impossível no que diz respeito à informação.

“O jornalismo hoje é uma profissão menos reconhecida do que era. Dizemos que os professores têm muito trabalho, claro que sim, mas os jornalistas, muitas vezes, têm três profissões e um único salário”, apontou, exemplificando que o New York Times tem cerca de 3.000 jornalistas e o Público 30.

Na conferência, organizada pela Agência Lusa, foi ainda exibido o documentário “Trust Me”, do norte-americano Roko Belic, que aborda a desinformação na era digital, com recurso a depoimentos de cientistas, governantes, psicólogos e jornalistas.

“Trust Me” alerta para a forma como o público pode detetar a manipulação de fontes e informações, filtrando o que é ou não factual, e assim evitar a proliferação de fake news.

O comandante Santos Fernandes considerou esta quinta-feira que a inteligência artificial “não é o fim do mundo, mas um desafio novo”, vincando que temos a tendência para correr sempre atrás do prejuízo.

“Não acho [que a inteligência artificial] seja o fim do mundo, mas é um desafio novo, que se tem vindo a com…





Para continuar a ler o artigo torne-se assinante ou inicie sessão.


Contacte-nos através: 292 292 815.




Outras Notícias
Vacinação contra covid-19 nos Açores será feita apenas pelos centros de saúde
.
Governo açoriano partilha muitas das preocupações dos pais
.
Altice Portugal e Thothx reativam teleporto na ilha açoriana de São Miguel
.
Padre Marco Gomes tomou posse na Matriz e Flamengos
.