02 de Março de 2023
Marcelo adverte que saída da crise “pode demorar um pouco mais”
Lusa

Autor do Artigo
59

O Presidente da República advertiu ontem que a saída da crise económica pode “demorar um pouco mais tempo” do que se esperava e considerou que os números do desemprego sinalizam que a “evolução internacional está lenta”.

Questionado se os números do desemprego - que, segundo os dados mensais do Instituto Nacional de Estatística (INE), se encontra nos 7,1%, sendo janeiro o terceiro mês seguido em houve um aumento - Marcelo Rebelo de Sousa disse que esse dado é um “sinal de alerta”.

Em declarações aos jornalistas na Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que o aumento do desemprego é um sinal “de que a evolução internacional está lenta, de que a guerra continua, de que a inflação ainda em muitos países continua alta, de que a economia internacional não recuperou”.

“Mesmo grandes potências europeias como a Alemanha estão a ter uma evolução lenta e como é um mundo aberto, isso tem efeitos”, frisou.

Um desses efeitos, segundo o chefe de Estado, é, “embora num valor baixo, a subida nalguns setores da taxa de desemprego”, uma vez que o período atual “é um período ainda de baixa atividade”.

O Presidente da República deu o exemplo do turismo que, apesar de “estar a correr muito bem”, vai “aumentar progressivamente durante o ano”.

“Portanto, eu diria, sempre com precaução, que a saída do período de crise - que vem do passado, a pandemia agravou e que a guerra também agravou, tem muitos fatores -, é uma saída que pode demorar um pouco mais tempo do que alguns esperavam”, referiu.

Apesar disso, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que o facto de, em 2022, a economia portuguesa ter crescido 6,7% em “produto bruto”, é uma “boa notícia”

“Agora, sabemos já que em 2023 não é possível um crescimento assim e, portanto, vamos ver exatamente qual vai ser a evolução da economia. Sabem como eu sou: eu não pertenço nem aos pessimistas, nem aos otimistas esfuziantes e, portanto, gosto de estar numa posição muito serena e muito realista e intermédia”, disse.

Interrogado ainda se considera que, uma vez que a inflação nos produtos alimentares subiu e chegou aos 20%, a Autoridade da Concorrência deve estar atenta aos preços, Marcelo respondeu: “Certamente, certamente”.

Na visita à BTL, em que esteve em vários ‘stands’, provou queijos, bebeu vinhos e poncha e falou com vários comerciantes, Marcelo Rebelo de Sousa cruzou-se com o líder do PSD, Luís Montenegro, e com os presidentes dos governos regionais da Madeira, Miguel Albuquerque, e dos Açores, José Manuel Bolieiro.

Durante uma visita ao ‘stand’ dos Açores, o Presidente da República considerou que o turismo em Portugal está “muito bem”.

“Arrancou no final de janeiro, depois no período do fim de ano foi uma quebra natural, e tem continuado a subir, [de modo] muito homogéneo em todo o território, (…) e com um [turismo] muito, muito jovem. Eu tenho encontrado ultimamente, por exemplo à tarde e à noite - eu tenho os meus passeios à noite - grupos de jovens estudantes que aproveitaram a quebra do semestre, em fevereiro, e vieram passar férias a Portugal”, referiu.

“Portugal está na moda: estava em 2019, aguentou a pandemia - difícil, 2020, 2021 - em 2021, viragem para 2022, subiu, subiu, subiu. 2022 bateu recordes de 2019 e este ano vamos bater 2022”, previu.

O Presidente da República advertiu ontem que a saída da crise económica pode “demorar um pouco mais tempo” do que se esperava e considerou que os números do desemprego sinalizam que a “evolução internacional está lenta”.

Questionado se os números do desemprego - que, segundo os dados mensais do Instituto Nac…





Para continuar a ler o artigo torne-se assinante ou inicie sessão.
Pode tornar-se assinante por apenas 7€ por mês.

Contacte-nos através: 292 292 815 ou jornalincentivo@gmail.com.




Outras Notícias
Crise sísmica na Terceira com valor anormal apenas de sismicidade
.
Universidade dos Açores pede celeridade para novas residências
.
Bebé nasce nos Açores a bordo de avião da Força Aérea
.
Edifício e Museu do Parlamento Regional abertos ao público no dia 25 de Abril
.