16 de Janeiro de 2023
Investigadores desenvolvem drone para localizar fogos e antecipar combate
Lusa

Autor do Artigo
28

Investigadores do Instituto Superior Técnico (IST), da Universidade de Coimbra e da Academia da Força Aérea desenvolveram tecnologia para drone que permite localizar um incêndio e antecipar em 20 minutos o processo de deteção e o início do combate.

“Os drones já recolhem imagens do fogo, mas, além de não puderem coexistir com os aviões de combate devido à partilha do espaço aéreo, não têm sistema de localização instalado e essas imagens têm depois de ser analisadas e comparadas, indo ao Google Maps para tentar localizá-las”, explicou à agência Lusa o coordenador da investigação, Alexandre Bernardino, do IST.

No âmbito deste projeto, um drone foi dotado de duas câmaras de vídeo, uma das quais de infravermelhos, e tecnologia de georreferenciação “precisa e que elimina erros de coordenadas”, autonomizando o processo de localização do incêndio.

A partir de um veículo, a cerca de 20 quilómetros do fogo, é possível operar o drone até à frente de fogo, reduzindo assim o risco de envolver meios humanos nas proximidades das chamas.

“Se tivermos um sistema que, do ar, consiga captar imagens, localizar na imagem onde está o fumo e o fogo e converter essa informação para coordenadas do terreno consegue-se criar o mapa do incêndio e visualizar onde ele está”, afirmou o especialista em robótica e visão artificial.

As imagens recolhidas pelo drone são depois transmitidas e monitorizadas a partir de um computador.

À medida que o drone recolhe a imagem, são de imediato calculadas as coordenadas do terreno.

“Podemos melhorar o processo de deteção em 20 minutos, embora a questão não esteja validada por estudos exaustivos e advenha da experiência dos meios de combate”, acrescentou.

Segundo o investigador, a tecnologia já existente está relacionada com a deteção precoce de incêndios, permitindo detetar um fogo, em média, 10 minutos após deflagrar.

Contudo, apontou “problemas de deteção e localização sobretudo quando os incêndios atingem uma certa dimensão”, justificando assim a inovação da tecnologia, ao dotar o posto de comando de “informação mais precisa e mais atempada”.

Além disso, o sistema criado consegue “em apenas três minutos prever o que vai acontecer ao fogo nas próximas quatro ou cinco horas”, adiantou, possibilitando aos meios de socorro proteger localidades em risco e reposicionar meios de combate.

A investigação, que foi iniciada em março de 2019 e vai terminar neste primeiro trimestre do ano, obteve 370 mil euros de financiamento do Governo no âmbito de concursos abertos para projetos relacionados com incêndios florestais, após os incêndios de 2017.

O projeto está em fase de demonstração de resultados junto dos agentes da Proteção Civil e de estudo de exploração comercial.

“Temos boas perspetivas de a tecnologia ser integrada no sistema de combate incêndios”, disse o coordenador, acrescentando que, numa primeira fase, poderá ser usada “para monitorização noturna, quando os aviões de combate não voam”, devido aos problemas de partilha do espaço aéreo.

O trabalho envolveu 20 especialistas em robótica, visão artificial e inteligência artificial e tem como parceiros o Instituto de Telecomunicações do IST, a Associação para o Desenvolvimento Aeronáutico Industrial da Universidade de Coimbra, o centro de investigação da Força Aérea, o Aeroclube de Torres Vedras e a empresa Uavision.

Investigadores do Instituto Superior Técnico (IST), da Universidade de Coimbra e da Academia da Força Aérea desenvolveram tecnologia para drone que permite localizar um incêndio e antecipar em 20 minutos o processo de deteção e o início do combate.

“Os drones já recolhem imagens do fogo, mas, além de não puderem …





Para continuar a ler o artigo torne-se assinante ou inicie sessão.


Contacte-nos através: 292 292 815.




Outras Notícias
Quase 20% dos mais carenciados têm sobrecarga das despesas com habitação
.
Anafre alerta para desequilíbrios na distribuição do IVA turístico
.
Portugal transplantou 814 órgãos em 2022 e atinge recorde no pulmão
.
Provedora do Animal quer solução legal para maus-tratos
.