30 de Dezembro de 2022
Alterações à lei do tabaco vão ter pouco impacto
Lusa

Autor do Artigo
51

Os empresários de diversão noturna consideram que as alterações que entram em vigor no domingo relativas ao fumo em espaços públicos fechados irão causar pouco impacto nos estabelecimentos das grandes cidades.

A partir de domingo só será permitido fumar em espaços como restaurantes, bares e discotecas se estes tiverem uma área igual ou superior a 100 m2 e pé direito mínimo de três metros, de acordo com uma portaria conjunta dos ministérios da Economia e Mar e da Saúde publicada em junho.

Em declarações à agência Lusa, tanto o presidente da Associação Portuguesa de Bares, Discotecas e Animadores (APBDA), Ricardo Tavares, e o da Associação de Discotecas Nacional (ADN), José Gouveia, ressalvaram o facto de se tratar de um processo “com muitos anos”.

“Já é uma portaria muito antiga e que tem sido gradual. É o fim de ciclo para essas regras [fumo em espaços fechados]”, referiu Ricardo Tavares.

No entanto, apesar destas alterações à lei serem expectáveis, o presidente da APBDA considerou que o Governo poderia ter dado mais tempo aos empresários para se “prepararem”, tendo em conta os prejuízos decorrentes da pandemia.

“Nós tivemos uma pandemia de dois anos. Sabíamos que o fim de ciclo tinha de chegar e já chegou à maioria dos países da Europa, mas queríamos acreditar que podia ter sido adiado por um pouco para os empresários que quisessem fazer as ditas alterações”, apontou.

Ressalvando que os eventuais impactos negativos para o negócio, decorrente destas novas medidas, possam ter lugar nas pequenas cidades, Ricardo Tavares defendeu que deve existir uma cooperação entre as associações e as entidades municipais para conseguir encontrar soluções mitigadoras, nomeadamente espaços no exterior.

“Em cidades mais pequenas vão ter de se criar outras condições para os empresários não perderem faturação. Nas grandes cidades isso já existe. Em Alfama, Bairro Alto, Cais do Sodré, na baixa do Porto já se bebe na rua. Já existe esse hábito”, argumentou.

Por sua vez, o presidente da ADN, José Gouveia, disse que os empresários já “estavam devidamente informados” e que “neste momento há que acatar esta lei”.

“Os operadores estavam devidamente informados. A associação discutiu esta situação. Esta lei é do conhecimento de todos. É o terminar do fumo do tabaco dentro dos estabelecimentos de diversão noturna”, sublinhou.

José Gouveia disse acreditar que a maioria dos empresários está preparado para fazer cumprir esta lei, referindo que durante a pandemia “muitos prepararam espaços exteriores”, que poderão agora ser utilizados pelos fumadores.

“As pessoas hoje estão habituadas a que não se fume dentro dos estabelecimentos, como não se fuma dentro dos centros comerciais. As discotecas eram a grande exceção à regra, mas não terá grande impacto porque as pessoas já estão habituadas”, apontou.

Os empresários de diversão noturna consideram que as alterações que entram em vigor no domingo relativas ao fumo em espaços públicos fechados irão causar pouco impacto nos estabelecimentos das grandes cidades.

A partir de domingo só será permitido fumar em espaços como restaurantes, bares e discotecas se estes tiverem…





Para continuar a ler o artigo torne-se assinante ou inicie sessão.


Contacte-nos através: 292 292 815.




Outras Notícias
Novas regras de circulação para o trânsito na cidade da Horta
.
BE/Açores defende novo navio para operar nas Lajes das Flores
.
Escolas profissionais dos Açores vão receber apoios extraordinários
.
Executive Master encerra amanhã no Hospital da Horta
.