10 de Novembro de 2022
Necessárias medidas para evitar aumento de mortes na Europa devido ao clima
Lusa

Autor do Artigo
30

As alterações climáticas vão fazer aumentar “substancialmente” as mortes na Europa, a menos que sejam tomadas medidas de adaptação, avisou a Agência Europeia do Ambiente (AEA).

Num relatório sobre o impacto das alterações climáticas na saúde humana, a AEA salienta que é preciso passar à ação e preparar os serviços e profissionais de saúde para que a população se torne mais resistente.

São precisas medidas, diz a AEA, que vão da ecologia urbana à construção de edifícios ou mudanças de horários de trabalho.

O relatório “Alterações climáticas como uma ameaça para a saúde e o bem-estar na Europa: enfoque no calor e nas doenças infecciosas” centra-se no impacto das altas temperaturas na população, o fator que provoca mais mortes associadas aos perigos naturais.

“Prevê-se que as doenças infecciosas sensíveis ao clima - outra ameaça emergente - se espalhem ainda mais para norte e causem uma maior carga de doenças na Europa”, refere o relatório, que se baseia no conhecimento produzido para o Observatório Europeu do Clima e da Saúde.

A AEA alerta para os perigos das ondas de calor, cada vez mais frequentes, longas e intensas, em combinação com uma população envelhecida e uma urbanização crescente.

No documento diz-se nomeadamente que a localização de muitas escolas e hospitais em áreas sujeitas ao efeito de “ilha de calor” urbana (aumento da temperatura nas cidades, devido à alta concentração de prédios, ruas e transportes, e poucas árvores) exige “a adaptação urgente dessas instalações”.

O aumento das temperaturas, indica a AEA, também afeta a saúde e segurança no trabalho, levando a uma perda média anual de 16 horas por trabalhador, em setores muito expostos, especialmente nos países do sul da Europa.

Entre outras medidas a AEA propõe planos de ação eficazes para a saúde face ao calor, a criação de mais zonas verdes e sombreadas nas cidades, a conceção e construção de edifícios apropriados, e ajuste do tempo de trabalho, para que as pessoas sejam menos expostas ao calor.

A AEA avisa ainda que as mudanças do clima estão a favorecer o aparecimento e transmissão de doenças infecciosas como malária, dengue ou febre do Nilo ocidental, aumentando o risco de infeção para áreas até agora não afetadas, como as regiões do norte da Europa.

O aquecimento da água do mar também a torna cada vez mais adequada para as bactérias do género ‘vibrio’, encontradas nos peixes e moluscos e que causam intoxicações alimentares avisa ainda a AEA.

As alterações climáticas vão fazer aumentar “substancialmente” as mortes na Europa, a menos que sejam tomadas medidas de adaptação, avisou a Agência Europeia do Ambiente (AEA).

Num relatório sobre o impacto das alterações climáticas na saúde humana, a AEA salienta que é preciso passar &…





Para continuar a ler o artigo torne-se assinante ou inicie sessão.


Contacte-nos através: 292 292 815.




Outras Notícias
Apreendidos 680 quilos de pescado capturado ilegalmente nos Açores
.
Autarquias de todo o país com restrições nas iluminações de Natal
.
Alienação da Azores Airlines com caderno de encargos “amigo do mercado”
.
Jovens açorianos prometem ao novo bispo “irreverência e alegria”
.