21 de Setembro de 2022
Governo quer recuperar culturas tradicionais com apoio da universidade
Lusa

Autor do Artigo
29

O Governo Regional dos Açores quer recuperar culturas tradicionais, para alimentação humana ou animal, que foram caindo em desuso, num projeto que conta com a colaboração da Universidade dos Açores.

“Há muitas variedades tradicionais que estão a desaparecer, que são uma identidade regional e que importa conservar, quer seja num banco de sementes regional, como posteriormente no catálogo nacional de variedades”, adiantou o titular da pasta da Agricultura nos Açores, António Ventura.

O governante falava, em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, à margem de uma reunião com o presidente da Faculdade de Ciências Agrárias e Ambiente da Universidade dos Açores, Alfredo Borba.

O projeto de “caracterização das variedades produtivas tradicionais”, desenvolvido em parceria com a Universidade dos Açores e com a Federação Agrícola dos Açores, estará inscrito na proposta de Orçamento da Região para 2023, com uma verba inicial de 5.000 euros.

“Vamos começar com uma verba inicial de 5.000 euros, que poderá ser reforçada ao longo do ano, porque não sabemos bem que trabalho vamos encontrar”, explicou António Ventura.

Em causa estão culturas como o milho, a fava, a tremocilha, o feijão, o chícharo ou o nabo, que existiram nos Açores, “durante séculos”, mas “estão a desaparecer”.

“Essas variedades, para além de estarem adaptadas às nossas condições edafoclimáticas, também são resistentes a determinadas doenças e aumentam as opções para a alimentação animal e humana”, frisou António Ventura.

Segundo o secretário regional da Agricultura, “alguns agricultores mantêm a produção destas sementes em pequena escala” e “pode haver interesse de empresas de pequena e média dimensão em comercializar” estas sementes para confeção de produtos tradicionais.

“Estas culturas tradicionais foram abandonadas, no caso do milho, por exemplo, por causa dos ventos. Os milhos híbridos têm uma maior resistência. Não significa que vamos substituir esses milhos pelo tradicional. Significa que vamos poder oferecer uma nova produção em pequena ou média escala. Poderá haver uma comercialização de farinha para produção do nosso tradicional pão de milho”, apontou.

O projeto, que tem uma duração de dois anos, vai exigir uma pesquisa bibliográfica e uma recolha de sementes junto dos agricultores.

“Prevemos que em finais de 2024 já possamos ter um catálogo desta identificação das culturas tradicionais produtivas nos Açores e algumas culturas já inscritas no catálogo nacional de variedades”, avançou o governante.

O Governo Regional dos Açores quer recuperar culturas tradicionais, para alimentação humana ou animal, que foram caindo em desuso, num projeto que conta com a colaboração da Universidade dos Açores.

“Há muitas variedades tradicionais que estão a desaparecer, que são uma identidade regional e que importa conservar, quer…





Para continuar a ler o artigo torne-se assinante ou inicie sessão.


Contacte-nos através: 292 292 815.




Outras Notícias
Clube de Ténis do Faial fez 43 anos
.
Depressão aumenta nos adolescentes afetando 42% dos jovens
.
Estados-membros podem restringir acesso de pesqueiros até 12 milhas
.
Medidas de proteção e regeneraçao do solo são insuficientes, diz especialista
.