12 de Setembro de 2022
Burro foi domesticado há 7.000 anos em África
Lusa

Autor do Artigo
37

O burro foi domesticado há mais de 7.000 anos em África, de acordo com as conclusões de um estudo do Centro de Antropologia e Genética de Toulouse (CAGT), em França, publicado quinta-feira passada na revista Science.

Animal importante para os humanos há vários séculos, especialmente em tarefas agrícolas e de transporte de cargas, a história genética do burro (Equus Asinus) é, no entanto, ainda pouco conhecida, mas foi alvo de uma análise genética abrangente de burros modernos e antigos por parte da equipa do CAGT.

O objetivo era rastrear as origens, a disseminação e as práticas de gestão subjacentes à domesticação do animal ao longo de milhares de anos.

Os especialistas acreditam que a história genética do burro é importante não só para avaliar a sua contribuição para a história da humanidade, como também para melhorar a sua gestão no futuro a nível local.

Nesse sentido, a equipa liderada por Evelyn Todd avaliou 238 genomas de burros modernos e antigos à procura de pistas sobre a sua história de domesticação e encontrou fortes indícios filogeográficos que apoiam a existência de um único evento de domesticação na África oriental há mais de 7.000 anos, cerca de 5.000 a.C.

A esse evento de domesticação, seguiram-se uma série de expansões por toda a África e Eurásia, onde as suas subpopulações acabaram por afastar-se e diferenciar-se, talvez devido à desertificação do Saara.

Com o passar do tempo, os fluxos genéticos procedentes da Europa e Médio Oriente chegaram às populações de burros na África Ocidental, explica a Science.

A análise descobriu também uma nova linhagem genética da região oriental, que existia há cerca de 2.200 anos, e contribuiu para aumentar o fluxo genético para as populações de burros asiáticos.

O estudo inclui ainda informações sobre a utilização de burros, incluindo a sua criação e utilização pecuária.

O burro foi domesticado há mais de 7.000 anos em África, de acordo com as conclusões de um estudo do Centro de Antropologia e Genética de Toulouse (CAGT), em França, publicado quinta-feira passada na revista Science.

Animal importante para os humanos há vários séculos, especialmente em tarefas agrícolas e de transporte de ca…





Para continuar a ler o artigo torne-se assinante ou inicie sessão.


Contacte-nos através: 292 292 815.




Outras Notícias
PSD nega degradação das contas públicas da região
.
Prisão preventiva para suspeito de roubar 13 mil euros e incendiar casa nos Açores
.
Caminhada Doca a Doca no domingo numa extensão de quatro quilómetros
.
Portos dos Açores abre concurso para recuperar locomotiva do século XIX
.