11 de Maio de 2022
Presidente da Assembleia Legislativa dos Açores reivindica círculo eleitoral próprio na Europa
Lusa

Autor do Artigo
31

O presidente da Assembleia Legislativa dos Açores reivindicou a criação de um círculo eleitoral próprio para a região no Parlamento Europeu para reforçar a participação do arquipélago, que deve ser “mais ouvido” na fase de definir políticas.

“Reivindicamos também o direito de participação no Parlamento Europeu, através de um círculo eleitoral próprio, que permitiria não só reforçar a nossa participação enquanto região autónoma e ultraperiférica, mas também assegurar uma maior diversidade e representatividade daquele órgão”, afirmou Luís Garcia.

O presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores falava durante uma cerimónia destinada a assinalar o Dia da Europa, realizada no exterior parlamento açoriano, na cidade da Horta.

Luís Garcia apresentou também uma outra “reivindicação”, no sentido de os Açores poderem ser “mais ouvidos pelas instituições europeias”, sobretudo na fase de definição de políticas.

Por outro lado, apelou aos partidos com assento parlamentar, para que intensifiquem a sua participação na construção do projeto europeu.

“É esse o primeiro apelo que aqui deixo, desde logo ao próprio Parlamento dos Açores: temos de intensificar a nossa participação na construção do projeto europeu”, explicou o deputado social-democrata.

Garcia lembrou que a União Europeia enfrenta, atualmente, “um período muito complexo da sua história”, que representa, ele próprio, um grande desafio para o povo europeu. 

“Aos desafios da migração, da crise humanitária, dos refugiados e dos deslocados, do terrorismo, das alterações climáticas, do ‘Brexit’, dos extremismos e populismos que teimam em crescer, juntou-se uma pandemia, seguida de uma guerra às suas portas”, lembrou o deputado, lançando também um apelo à paz na Ucrânia.

O presidente da Assembleia Legislativa dos Açores reivindicou a criação de um círculo eleitoral próprio para a região no Parlamento Europeu para reforçar a participação do arquipélago, que deve ser “mais ouvido” na fase de definir políticas.

“Reivindicamos também …





Para continuar a ler o artigo torne-se assinante ou inicie sessão.


Contacte-nos através: 292 292 815.




Outras Notícias
Fim dos encaminhamentos nos Açores não causou “desequilíbrio no tráfego”
.
Trabalhadores em Portugal só recebem 72% do salário bruto que lhes é pago
.
Prisão preventiva para casal suspeito de tráfico de droga
.
Dívida das famílias, empresas e Estado sobe para 782.500 ME de fevereiro para março
.