02 de Maio de 2022
40 por cento das terras existentes no mundo estão em situação de degradação
Lusa

Autor do Artigo
48

De acordo com dados divulgados pela Organização das Nações Unidas (ONU), cerca de 40% das terras do planeta já foram degradadas por ações humanas. Entre as causas do dano crescente, a ONU aponta a produção de comida como uma das maiores contribuintes, porém o consumo de outros bens, como as roupas, também são responsáveis. 
A degradação da terra conta com diversos fatores e não apenas a desertificação do solo. Áreas verdes, como as de pasto, por exemplo, podem ser consideradas degradadas por serem desprovidas de vegetação natural em casos de cultivo intenso. Os fatores que indicam a degradação são o esgotamento de recursos naturais, fertilidade do solo, água, vegetação nativa e biodiversidade. 
Os dados divulgados pela ONU apenas contabilizam os danos causados pela agropecuária dentro da degradação da terra, uma vez que seus impactos nas mudanças climáticas já foram comprovados. Dentro desses danos, o principal responsável é o desmatamento que ocorre para abrir campos de pastos para os animais, que resulta na exaustão do solo e na escassez de água. 
Porém, os outros danos gerados por essa indústria também contribuem para a perda de biodiversidade da fauna e flora, que impactam negativamente os ecossistemas locais e ajudam na exacerbação da crise climática, uma vez que o solo perde sua habilidade de absorver e armazenar carbono.
O consumismo na área da moda também foi apontado como um dos culpados para a degradação da terra, que contribuem para a poluição e escassez de água. 
Porém, enquanto os resultados da exploração do meio ambiente são mais visíveis em países em desenvolvimento, a maioria dos danos são causados por aqueles desenvolvidos. 
Sem a ação necessária para desacelerar a degradação, especialistas acreditam que até 2050 uma área equivalente ao tamanho da África do Sul será impactada. 
As soluções exploradas pela ONU para interromper o crescimento desses danos contam com a agricultura regenerativa que visa a regeneração e manutenção de todo o sistema de produção alimentar, incluindo as comunidades rurais e os consumidores. 
Os métodos indicados incluem a plantação de árvores para prevenir e erosão do solo, reaproveitamento da água da chuva e a mudança de métodos de cultivo para cultivo em terraços e contornos. Embora acredite-se que agricultores não usem as técnicas pela pressão envolvida na superprodução, a ONU afirma que a mudança para esses métodos tenha retorno financeiro e outros benefícios. 
A interrupção do consumo da carne também já foi vista como uma solução para retardar os efeitos do aquecimento global. Uma matéria publicada pelo site Scientific American conseguiu comprovar que a eliminação total de carne e seus derivados pode salvar o planeta do colapso ambiental. Se essa substituição acontecesse e o consumo de carne fosse extinto em até 15 anos, as emissões de dióxido de carbono anuais diminuiriam em 68%, número equivalente a 1 bilhão de toneladas de CO2.

De acordo com dados divulgados pela Organização das Nações Unidas (ONU), cerca de 40% das terras do planeta já foram degradadas por ações humanas. Entre as causas do dano crescente, a ONU aponta a produção de comida como uma das maiores contribuintes, porém o consumo de outros bens, como as roupas, também são re…





Para continuar a ler o artigo torne-se assinante ou inicie sessão.


Contacte-nos através: 292 292 815.




Outras Notícias
Açores acolhem rodagem de série portuguesa “Rabo de Peixe” para a Netflix
.
Governo Regional vai adquirir três mil computadores e mil ‘tablets’
.
Aprovada comparticipação da ampliação da pista do aeroporto da Horta
.
Linha para denunciar crianças em perigo recebeu 2.550 chamadas em dois anos
.