28 de Abril de 2022
OMS não encontra ligação entre hepatite infantil e alimentos ou vacina contra a covid-19
Lusa

Autor do Artigo
46

A Organização Mundial de Saúde (OMS) disse esta terça-feira que não encontrou uma relação entre os casos de hepatite aguda em crianças e a vacina contra a covid-19 ou o consumo de algum tipo de alimento ou medicamentos.

“As causas permanecem sob investigação profunda. Estamos a analisar uma série de fatores subjacentes, infecciosos e não infecciosos, que podem estar a causar os casos” de hepatite cuja origem ainda é desconhecida, disse Philippa Easterbrook, especialista da OMS, numa conferência de imprensa em Genebra.

A especialista adiantou que, com base no que foi observado, a presença dos vírus que causam os diferentes tipos de hepatite conhecida (A, B, C, D ou E) está excluída, bem como as bactérias que causam gastroenterite em crianças.

“Não há nada que indique uma relação com a vacina contra a covid-19, uma vez que uma grande maioria das crianças (em que a doença foi detetada) não receberam esta vacina”, referiu Philippa Easterbrook.

A OMS recebeu até agora relatos de 169 casos desta hepatite aguda provenientes de 12 países e em sete casos - um em cada dez - o quadro clínico exigiu um transplante hepático nas crianças.

Sobre relatos de uma possível ligação a um adenovírus, a especialista da OMS reconheceu que é uma hipótese que está a ser estudada, uma vez que foi detetada em 74 dos 169 casos.

Os adenovírus são um grupo de vírus muito comuns que são transmitidos entre pessoas e que muitas vezes causam infeções do sistema respiratório e digestivo, particularmente em crianças.

No entanto, a especialista explicou que “é muito incomum que um adenovírus cause este tipo de sintomas graves” e que, por isso, é importante continuar a fazer testes de diagnóstico sistemáticos para causas infecciosas e não infecciosas.

Os afetados têm entre um mês e 16 anos de idade, sofrendo de sintomas como dor abdominal, diarreia, vómitos, amarelamento da pele e têm um alto nível de enzimas hepáticas.

Na quinta-feira passada, o diretor do Programa Nacional para as Hepatites Virais afirmou que as autoridades de saúde estão “muito atentas” e preparadas para intervir caso surja uma criança com hepatite aguda de origem desconhecida em Portugal.

“Pode ser o início de uma situação nova que nós ainda não conhecemos ou pode ser que se atenue, mas temos que estar preparados para os vários cenários e acho que devemos estar preparados para o pior, que chegue a Portugal”, disse o especialista à agência Lusa.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) disse esta terça-feira que não encontrou uma relação entre os casos de hepatite aguda em crianças e a vacina contra a covid-19 ou o consumo de algum tipo de alimento ou medicamentos.

“As causas permanecem sob investigação profunda. Estamos a analisar uma série de fator…





Para continuar a ler o artigo torne-se assinante ou inicie sessão.


Contacte-nos através: 292 292 815.




Outras Notícias
Estudo mostra “potencial” para produção de café
.
Símbolos da Jornada Mundial da Juventude chegam na quinta-feira aos Açores
.
Açores participam nos “Jogos das Ilhas” com mais de 100 elementos
.
Governo vai analisar estudo sobre produção de café
.